< Voltar para todos os artigos

Gestão de Riscos Operacionais: 6 Boas Práticas para obter uma análise de segurança da atividade eficaz

Publicado: 2020


A maioria das empresas tem dedicado recursos importantes em seus programas para reduzir e prevenir acidentes de trabalho. Sistemas de gestão de riscos operacionais estão implementados, com ferramentas de gestão adequadas e geralmente integrados a seus sistemas de produção. Os resultados e desempenho têm melhorado nessas empresas ao longo dos últimos anos, mas os acidentes continuam a acontecer e muitas vezes, acidentes graves que podem levar a incapacidades permanentes. Sem uma compreensão dos perigos e avaliação dos riscos que seus funcionários enfrentam com as tarefas que realizam todos os dias, é impossível para uma empresa mantê-los seguros.


De acordo com nossa experiência, existem boas práticas quando da utilização de análises de segurança através de ferramentas tais como a análise preliminar de riscos (APR) ou análise de segurança da tarefa (AST). A ferramenta da APR ou AST é um estudo prévio e detalhado sobre todas as etapas do trabalho a serem executadas em determinado local. O objetivo é identificar os perigos envolvidos, avaliar os riscos para as pessoas, para o meio ambiente, para o patrimônio, para a imagem da empresa, bem como identificar medidas de controle para mitigar o risco ou prevenir que as consequências indesejadas venham a acontecer.


Apresentamos 06 boas práticas para concluir uma APR ou AST eficaz e discutiremos algumas maneiras para que tais rotinas ajudem a obter maior eficiência ao usar APRs e ASTs e consequentemente, prevenir e evitar acidentes de trabalho ou acidentes de processo:


  1. Selecionar e priorizar as atividades que devem ter uma APR ou AST;
  2. Nunca se basear apenas em informações: sempre fazer verificações físicas na área do trabalho;
  3. Buscar ajuda de quem realmente está envolvido com a atividade;
  4. Identificar medidas de controle preventivas e mitigadoras;
  5. Comunicar os pontos principais para todos os colaboradores envolvidos na atividade;
  6. Revisar periodicamente as APRs ou ASTs;